O número quatro da Revista Libertinagem chegou


8 images avec leur texte, 1932 – Paul-Émile Becat

 

No Brasil.

Em 2017.

Aquele momento, não é? Sim, estamos vivendo um momento em que o erotismo incomoda e, por isso, está sendo novamente colocado em pauta, sob jugos de perseguição e censura. Não é de se estranhar. Para além do desejo sexual, o termo “erotismo” em si designa, também, esse mesmo desejo segundo suas expressões artísticas, sua representação na literatura e na pintura, por exemplo. De fato, não é apenas a temática sexual que tem incomodado, mas a potência artística em muitas das suas formas. Convenhamos, é de se estranhar?

Achamos que não.

Por outro lado, o mês de outubro também foi marcado pela resistência. Em João Pessoa, cerca de quinhentas mulheres se reuniram para o primeiro encontro nacional do Mulherio de Letras, grupo de escritoras encabeçado por Maria Valéria Rezende. Não foi à toa que a Libertinagem número 3 foi toda dedicada a elas: constantemente silenciadas, as mulheres cada vez mais lutam legitimamente para ocupar o lugar de fala que tanto lhes cabe como lhes é constantemente negado.

Nosso número 4, diante de todo esse contexto, teria mesmo que ser especial. E assim está. Denise Quintal, Jussara Resende, Ellen Maria Vasconcellos, Jamesson Buarque, Pedro Tostes, Karin Krogh, Nina Rizzi, Adriana Gehlen, Ricardo Terto, Renan Porto, Monica Marques, Felipe Stefani, Cláudio Duarte, Leandro Peska: esse é o time que forma a edição atual. Certamente alguns desses nomes você já ouviu inúmeras vezes, ao acompanhar a arte e literatura brasileira contemporânea. Tão certamente quanto você não faz ideia do que esperar de alguns outros. Essa é a mescla da nossa revista, é assim que tem que ser: escritores já estabelecidos e consagrados entre grandes promessas.

Sim, o erotismo tem incomodado muita gente. A história das artes, contudo, nos atesta: se incomoda, é bom.  Aqui está a nossa contraparte sobre o tema. Então aproveitem.

Já disse o poeta: Sejamos pornográficos, docemente pornográficos.

Spread the word.

Os editores