Mulheres que fizeram, fazem e farão história

Mais de 2.600 anos separam os textos da poeta grega Safo, uma rara sobrevivente em meio aos registros literários predominantemente masculinos da época, dos escritos das autoras contemporâneas que fazem esta Libertinagem #3.

No entanto, ainda nos dias de hoje, é necessário chamar a atenção para distorções no que diz respeito aos espaços que nem sempre se abrem para as mulheres na medida do direito que a elas cabe pelo talento.

Nosso número 3 vai ao ar em um momento de algumas conquistas. Em Paraty, as escritoras Conceição Evaristo e Ana Maria Gonçalves levaram aos microfones da Flip 2017 seu grito lírico contra preconceitos sociais que ecoam na seara literária.

Quem também teve voz no evento foi a contista e cronista paraense Paloma Franca Amorim, que prefere perder um olho a se calar. Ela é um dos destaques desta edição, com um texto inédito que muito honra a proposta editorial da revista: ampliar a divulgação do trabalho de novas escritoras brasileiras, já uma marca nos dois primeiros números da Libertinagem.

Voltando à Grécia Antiga, a produção literária de Safo é tema do artigo de Lilian Sais, um dos nomes promissores da safra mais recente de autoras do país. Esta edição é toda feita por elas, nas linhas cortantes de Bianca Velloso, Camila Passatuto, Ellen Maria, Fêre Rocha, Marceli Andresa Becker, Maíla Sandoval, Márcia Barbieri, Mayara Soares, Natasha Felix, Sandra Werneck, Seirabeira e Simone Teodoro, além das já mencionadas Lilian e Paloma.

A Libertinagem é gratuita, trimestral e está aberta a sugestões e novos colaboradores.

Fiquem à vontade, fiquem com a gente. Boa leitura!

Os editores